sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Diário - recortes -


Parte 1

Conheço a trajetória de algumas professoras, li as que estão postadas, e a cada uma que leio fico imaginando as cenas na minha cabeça...rsrsr...daria um belo filme. Onde no decorrer do filme os personagens se encontravam, as histórias se interligavam, formando uma grande teia. Pensando bem, não é isso que acontece, ou está acontecendo?? E esse curso também nos possibilita isso, de alguma forma fazer parte da história de alguém, ou esse alguém da minha, e assim tecer uma grande teia de saberes e fazeres. Não que isso só acontece agora, mas é esse o momento que isso fica claro pra mim, na verdade, escrevendo esse texto, fico imaginando tantas pessoas (palestrantes, professores, intérpretes, surdos, alunos...) que conheci (em congressos, seminários, encontros, igrejas, escolas...) que tiveram GRANDE importância, ou não na minha vida.
Mas, grande ou não, elas nos deixam marcas, e pensando nas marcas que elas nos deixam faz-me refletir sobre as marcas que também deixo nelas. Penso que todos nós deveríamos refletir sobre isso.
...........................................................................................................................................
De vez em quando alguém me pergunta se tenho alguém na família surdo, se espantam quando respondam que não. Pra eles, ter alguém na família justificaria a minha opção por essa área. Sempre respondo, “foi amor a primeira vista, ou ao primeiro sinal” e acabo (quando me perguntam) contando um pouco da minha trajetória, claro que resumidamente, como tentarei fazer aqui.

Terei que deixar a fala da mha trajetória pra outro momento.

Hoje dia 26-12-08, 8h25m, estou deitada, ainda cansada por causa da ceia....enfim..., o celular toca, uma voz feminina se identifica, enquanto uma voz masculina repete o meu nome pra essa mulher.
- Meu nome é Lúcia, pediram pra te ligar, pra te informar que o Sr. Pedro Garcia Filho faleceu, e que o sepultamento será no cemitério de Maruípe, às 13h.
Ainda meio sonolenta, perguntei: Quem? O que?
- Pedro, que foi aluno do curso de LIBRAS lá na escola Oral e Auditiva...(respondeu)
Estávamos lá, eu e Flávio (instrutor), aguardando os alunos chegarem para o primeiro dia de aula do curso de LIBRAS. Chegaram, Pedro(57) e José, um tio do outro, qual era o tio?? Sempre me confundia!! Aproximaram-se da mesa para fazer a inscrição e começamos a conversar sobre o que os motivara a fazer o curso.
Disseram que estavam ficando surdos e perdendo a visão também, tinham uma síndrome que acometia membros da família, e os médicos ainda não sabia o nome d doença, só diziam que com o tempo ficariam completamente surdos e cegos.
Dentre tantos problemas que nos relataram decorrentes aos fatos, fiquei impressionada com a vontade deles em aprender, em buscar informações que os ajudassem a enfrentar os problemas pelas quais estavam passando. Eram alunos presentes, sempre alegres, bem humorados e adoravam a hora do recreio.
Sentimo-nos desafiados a ensinar os dois. Teria que ser uma estratégia diferente?Qual?Em que espaço-tempo? Tivemos que pensar sobre isso.
Experiências...tentativas...angústia...impaciência...esperança...e muitas conversas e risos marcavam nossos momentos.
Lúcia, a mulher que me ligou, disse que foi algo repentino, começou a perder as funções do esôfago, se engasgava com uma colher de água, os médicos disseram que se tratava de atrofia cerebral. E que três pessoas da família já morreram assim.
Intrigante, triste...que história dessa família!!!
Estava aqui pensando sobre o que acabara de escrever, sobre deixar marcas, ou seja, fazer a diferença, na vida das pessoas.
Acredito, que eu como professora ou amiga, tenha feito a diferença na sua vida, tenha deixado marcas, pois tu deixaste na minha.
Um abraço meu amigo, vá em paz!
(Sr. Pedro - blusa azul, bigode, de óculos)

2 comentários:

  1. Oi Nill!! Tive a oportunidade de conhecer o Sr Pedro , eu estava trabalhando la na Escola oral em 2007 pela manha,lembra? levei um papo com ele e o primo dele sobre a necessidade de aprender LIBRAS para que eles não se sentissem tão isolados, eles se sentiram muito bem com a conversa. Bem pelo menos fizemos um pouco por ele, pois a doença dele esta realmente avançando muito rápido.
    Bem acho que posso dizer que pude contribuir um pouco na vida dele e deixei tb marcas, pois contei minha experiência de vida e ele ficou mais animado em continuar o curso.
    Que Deus o tenha em paz!!!!

    ResponderExcluir
  2. Nil, que história belíssima!!! Amei o seu relato... fiquei imaginando sua importância na vida dele. Que lindo!!!

    ResponderExcluir